Marechal Deodoro da Fonseca
Manuel Deodoro da Fonseca (Alagoas da Lagoa do Sul[nota 2], 5 de agosto de 1827 — Rio de Janeiro, 23 de agosto de 1892) foi um militar e político brasileiro, primeiro presidente do Brasil e uma das figuras centrais da Proclamação da República no país.
Após cursar artilharia na Escola Militar do Rio de Janeiro entre 1843 e 1847, participou de algumas campanhas militares durante o Império, dentre as quais se destacam a Revolução Praieira, o cerco de Montevidéu e a Guerra do Paraguai. Em 1885, tornou-se vice-presidente da província de São Pedro do Rio Grande do Sul; no ano seguinte, com a renúncia do então presidente Barão de Lucena, Deodoro torna-se presidente do Rio Grande. Devido ao seu envolvimento no que ficou conhecido como a Questão Militar — embates entre as forças armadas e o governo civil imperial —, retornou ao Rio de Janeiro. Nomeado para o comando militar da província de Mato Grosso em 1888, exonerou-se do cargo no ano seguinte, face à nomeação do último gabinete ministerial do Império, encabeçado pelo Presidente do Conselho de Ministros Visconde de Ouro Preto. Em meio a diversas crises que assolavam a monarquia brasileira, Deodoro liderou o golpe de Estado que depôs o Império e proclamou a república no país

Alegoria
Representação da Proclamação da República

Atenção
Em razão da alta rotatividade dos produtos da Numismática Castro, os números de série das cédulas poderão sofrer alterações, nunca alterando o estado de conservação da peça. Todas as cédulas vendidas pela Numismática Castro são Flor de Estampa, salvo as explicitamente anunciadas em outros estados de conservação.

20 Cruzeiros

R$200,00 R$145,00
Esgotado
20 Cruzeiros R$145,00

Marechal Deodoro da Fonseca
Manuel Deodoro da Fonseca (Alagoas da Lagoa do Sul[nota 2], 5 de agosto de 1827 — Rio de Janeiro, 23 de agosto de 1892) foi um militar e político brasileiro, primeiro presidente do Brasil e uma das figuras centrais da Proclamação da República no país.
Após cursar artilharia na Escola Militar do Rio de Janeiro entre 1843 e 1847, participou de algumas campanhas militares durante o Império, dentre as quais se destacam a Revolução Praieira, o cerco de Montevidéu e a Guerra do Paraguai. Em 1885, tornou-se vice-presidente da província de São Pedro do Rio Grande do Sul; no ano seguinte, com a renúncia do então presidente Barão de Lucena, Deodoro torna-se presidente do Rio Grande. Devido ao seu envolvimento no que ficou conhecido como a Questão Militar — embates entre as forças armadas e o governo civil imperial —, retornou ao Rio de Janeiro. Nomeado para o comando militar da província de Mato Grosso em 1888, exonerou-se do cargo no ano seguinte, face à nomeação do último gabinete ministerial do Império, encabeçado pelo Presidente do Conselho de Ministros Visconde de Ouro Preto. Em meio a diversas crises que assolavam a monarquia brasileira, Deodoro liderou o golpe de Estado que depôs o Império e proclamou a república no país

Alegoria
Representação da Proclamação da República

Atenção
Em razão da alta rotatividade dos produtos da Numismática Castro, os números de série das cédulas poderão sofrer alterações, nunca alterando o estado de conservação da peça. Todas as cédulas vendidas pela Numismática Castro são Flor de Estampa, salvo as explicitamente anunciadas em outros estados de conservação.